Ao invés de reverem a educação, usam Ritalina

ENTREVISTA COM A PSICOTERAPEUTA CACILDA AMORIM

TDAH, Ritalina e Educação no Brasil

Ritalina e Educação no Brasil | IPDA na Midia - Jornal do Brasil

Déficit de Atenção ou escola desinteressante e ultrapassada?

Jornal do Brasil
Ritalina: Crianças que não prestam atenção. Será TDAH – Déficit de Atenção ou a escola que é pouco atrativa e ultrapassada? Epidemia de crianças que não conseguem prestar atenção ou necessidade de rever a educação? Especialistas e educadores estão preocupados com o significativo aumento na prescrição de medicação tarja preta para crianças e adolescentes.

O aumento do consumo de Ritalina na rede municipal de saúde de São Paulo não é pontual. O Brasil é o segundo país que mais utiliza o Cloridrato de Metilfenidato (princípio ativo do medicamento), perdendo apenas para os Estados Unidos, destaca a representante do Conselho Federal de Psicologia, Marilene Proença. A substância é adotada no tratamento de Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). Não são poucas as hipóteses levantadas para explicar esse crescimento. Na avaliação de Marilene Proença, a Ritalina, apelidada pelos críticos de “droga da obediência”, tem sido adotada como subterfúgio para escamotear falhas no sistema educacional.

Estamos tendo uma precarização da qualidade do ensino oferecido para alunos na fase de alfabetização. Se a criança não está atenta na escola, se não está escrevendo corretamente como deveria, isso é um problema educacional, pedagógico. Quer dizer que não estamos conseguindo dar conta de uma alfabetização adequada. Mas de repente, há uma epidemia de crianças que não prestam atenção? Não faz sentido. Nasceu uma geração que não presta atenção? A geração anterior prestava e a atual não presta? – indaga Marilene, que também é membro da diretoria da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional: “Consideram que o fato de o aluno não aprender não tem a ver com a questão pedagógica, mas é um problema dele, como se fosse algo orgânico que tivesse dificultando a aprendizagem. A mudança de comportamento estaria sendo feita pela medicação, e não por uma pedagogia adequada”, completa.

Já para a professora titular do Departamento de Pediatria da Unicamp, Maria Aparecida Moysés, há uma tentativa de “abafamento dos questionamentos”. “Ritalina e Concerta (também tem o Metilfenidato como príncipio ativo) estão sendo prescritos para crianças que incomodam. Existe uma pressão da indústria farmacêutica, mas creio que há também o ideário de um abafamento de questionamentos, de normalização das pessoas. Todos homogêneos. Pode ser que não seja esse o objetivo, mas é o que acaba acontecendo, porque toda criança que questiona tem TDAH. Você medica e aborta o questionamento. Estamos cada vez mais usando remédio para tudo. Não há mais gente triste. Há gente deprimida. A tristeza incomoda. Te mandam tomar um Prozac. A vida está sendo retirada de cena, porque é irregular, caótica, tem altos e baixos, diferenças. O que está acontecendo é que quem não se submete é quimicamente assujeitado” .

Quadro nacional

De acordo com a representante do Conselho Federal de Psicologia, Marilene Proença, os conselhos regionais da categoria irão promover ações locais para “levantar a problemática em seus estados”: “Até novembro, esperamos ter um quadro nacional” – afirma.

Dados do Instituto Brasileiro de Defesa dos Usuários de Medicamentos mostram que de 2000 a 2008, a venda de caixas de metilfenidato saltou de 71 mil para 1.147.000, um aumento de e 1.615%. Os números não consideram receitas de medicamentos manipulados ou comprados pelo poder público.

A comercialização da Ritalina é regulada pela Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Embora o medicamento – classificado no anexo da Portaria 344/98, na lista das substâncias psicotrópicas -, só possa ser adquirido com receita especial, é fácil consegui-lo clandestinamente. Uma breve busca pela internet revela que não são esporádicas as ofertas da droga.

Relatório do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC) da Anvisa de 2009 – dado mais atualizado da entidade sobre o metilfenidato – destacou que há vários estudos e questionamentos quanto ao uso massivo e efeitos secundários da substância, “pois sua utilização já está ocorrendo entre em presários, estudantes, para emagrecimento e até em uso recreacional na forma triturada como pó ou diluído em água para ser injetado”.

O relatório informa ainda que a maior preocupação em relação ao Cloridrato de Metilfenidato está, na verdade, relacionada ao seu “mau uso”, e não à utilização da substância nos casos de TDAH. Mas pondera ao ressaltar que o medicamento não é indicado para todos os pacientes da doença. O documento acrescenta :

Segundo estudo publicado em 2009, somente entre 2002 e 2006, a produção brasileira de metilfenidato cresceu 465 por cento. Sua vinculação ao diagnóstico de TDAH tem sido fator predominante de justificativa para tal crescimento. Mas os discursos que circulam em torno do tema e legitimam seu uso também contribuem para o avançao nas vendas.

A Psicoterapeuta Cacilda Amorim, do Instituto Paulista de Déficit de Atenção (IPDA), ressalta que as exigências do mercado de trabalho têm provocado aumento na procura por estimulantes cognitivos.

“Hoje, existe uma pressão muito grande para o desempenho de qualidade, principalmente em adultos, em situações de trabalho que não garantem as condições mínimas para que isso seja possível. Em qualquer área, a quantidade de coisas que se espera que a pessoa faça, aprenda, desenvolva. Se não desenvolver, ela se sente inadequada”.

"Zombie Like"

Crítica implacável do traramento com Ritalina, a professora da Unicamp, Maria Aparecida Moysés afirma que a aparente calma promovida pela droga em crianças não é efeito terapêutico, mas “sinal de toxicidade”. “Tem o mesmo mecanismo de ação das anfetaminas e a cocaína. Ele é um derivado de anfetamina. é essa a complicação. Ele age aumentando a concentração de dopamina nas sinapses. A dopamina é um neurotransmissor associado às sensações de prazer.Não é todo mundo que fica mais concentrado. Em torno de 40, 50% ficam mais focado, que é o efeito da anfetamina e da cocaína. Mas foca a atenção no que passar na frente, não necessariamente nos estudos”.

Segundo ela, as reações adversas acontecem em todo os órgãos. “No sistema nervoso central, você tem psicose, alucinação, suicídio, que não é desprezível, cefáleia, sonolência, insônia. Um dos mais importante é um efeito que, em farmacologia, é chamado de “zombie like”. A pessoa fica contida em si mesma. Passa a agir como se estivesse amarrada. No sistema cardiovascular, por exemplo, os efeitos são hipertensão, arritmia, taquicardia, parada cardíaca. é uma droga perigosa. Eu não daria para um filho meu”.

Jornal do Brasil - Junho / 2011

Cacilda Amorim

Cacilda Amorim - Psicoterapeuta e Coach Comportamental

Diretora do IPDA - Instituto Paulista de Déficit de Atenção

CRP 06/61710

Conheça o IPDA - Instituto Paulista de Déficit de Atenção


Referência em TDAH desde 2004

Clinica especializada em TDAH – Déficit de Atenção. Referência em diagnóstico, tratamentos e cursos para portadores, familiares e profissionais. Transtornos isolados ou em comorbidades: Ansiedade, depressão,stress crônico, agressividade e impulsividade. Problemas profissionais, estudo / aprendizagem e relacionamentos.

Agendar Consulta

É POSSÍVEL SUPERAR

Distração, esquecimentos, agitação, desorganização, baixo desempenho…

não precisam ser para sempre. Encontre a ajuda que você necessita.

Marcar Consulta

IPDA NA MIDIA

Entrevistas e Reportagens com Cacilda Amorim

TDAH adulto afeta vida profissional

TDA Adulto afeta a vida profissional

Especialistas estimam que a doença, chamada de TDA - Déficit de Atenção, atinja 4% dos adultos. O jornalista Paulo Bastos (nome fictício), 56, sempre se considerou um profissional dinâmico. Acumulava inúmeras tarefas e chegava a trabalhar até 12 horas por dia.

Qualquer um pode ter TDAH

TDAH – Um transtorno para todos

Se você ou seu filho distraem a todo momento, tem dificuldade de organizar o ambiente ao seu redor e os próprios processos de pensamento, além de tendência à agitação física e mental e à impulsividade, fique atento: estas são as características mais conhecidas do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

TDAH no trabalho causa distração e desorganização

Eles não são apenas distraídos ou agitados

Conviver com uma pessoa desorganizada, distraída, falante demais ou muito agitada pode ser difícil e até irritante para alguns. Se você conhece alguma pessoa que preenche essas características, fique atento: ela pode ser portadora de TDAH.

TDAH pode causar esquecimento e problemas de memória

Esquecimento e problemas de memória? Pode ser TDAH

"Doença do Esquecimento", memória fraca e distração pode ser uma coisa mais séria. TDA - Déficit de Atenção é um transtorno que afeta adultos e crianças. Estima-se serem mais de 4 milhões no Brasil.

TDAH prejudica colocar prioridades

TDAH adulto afeta colocar prioridades

O portador de TDAH sofre para filtrar dados que o cérebro recebe. Como consequência, profissionais se confundem ao priorizar tarefas e não atentam a temas importantes. A grande dificuldade do portador de distúrbio do déficit de atenção é separar o joio do trigo das informações que recebe.

Multitarefa é uma ilusão

TDAH – Dá para multi-tarefar?

Multi-Tarefa é uma ilusão que prejudica demais a produtividade. Apesar de especialistas discordarem sobre as reais capacidades do cérebro. Faça este teste e comprove por você mesmo se a multi-tarefa prejudica ou não seus resultados.

TDAH não é apenas problema infantil

TDAH não é apenas problema "infantil"

Apesar do que muita gente pensa, o transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) não é uma doença exclusiva de crianças e adolescentes. Conhecido como uma síndrome que aparece na infância, o TDAH pode acompanhar a pessoa durante a vida adulta.

Seu filho tem TDAH ou é apenas falta de limites

Diagnóstico do TDAH Infantil – Transtorno ou Falta de Limites?

O diagnóstico preciso deve eliminar outras possibilidades e acompanhar a vida em família. Como saber se seu filho tem ou não o problema?

Direitos das pessoas com TDAH

Reprovação de aluno com TDAH é revista

Crianças e jovens com TDAH tem direito a suporte diferenciado na escola.

Uso excessivo de remédios Ritalina para TDAH

Ritalina para TDAH pode causar dependência

Ritalina, remédio "tarja preta" pode "causar dependência física ou psíquica", de acordo com advertência impressa na embalagem do produto. Brasil é o segundo maior consumidor mundial de Ritalina. Como tem aumentado muito a prescrição e consumo, especialistas estão cada vez mais preocupados.

Como facilmente treinar o cérebro

É simples treinar seu cérebro

Há múltiplas maneiras de treinar o cérebro. Ginástica Cerebral estimula neuroplasticidade, com efeitos muito positivos sobre transtornos de atenção. Sudoku é uma das opções, simples, divertida e barata.

Debate Ritalina e Educação no Brasil

TDAH, Ritalina e Educação no Brasil

Ritalina: será TDAH - Déficit de Atenção ou a escola que é pouco atrativa e ultrapassada? Epidemia de crianças que não conseguem prestar atenção ou necessidade de rever a educação?

TDAH na escola Como professor pode ajudar

Déficit de Atenção TDAH – Não é bicho de sete cabeças

Conheça alguns sinais do TDAH - Déficit de Atenção / Hiperatividade e saiba como proceder sem deixar que ele atrapalhe o desenvolvimento da turma. Agitação durante a aula, falta de atenção, problemas com o colega, desorganização com o material escolar, tarefas inacabadas.

Criança que não presta atenção nas aulas

Seu filho não presta atenção nas aulas?

Crianças com TDAH necessitam suporte e acompanhamento para aprender bem. Essencial o interesse no desenvolvimento da criança e manter boa comunicação com a escola.

Ansiedade no século XXI

Ansiedade – O Mal do Século 21

O corpo e a mente funcionam como um computador. A ansiedade intensa prejudica o foco, pois direciona a atenção para as preocupações e tudo aquilo que sinaliza risco ou perigo iminente.

Gameterapia para o cérebro

Gameterapia – Tratamentos inovadores para o cérebro

Cada vez mais especialistas oferecem tratamentos com programas que lembram videogames e levam ao domínio de funções fisiológicas, com potencial para tratar os mais diversos problemas de saúde física e mental.

Ginástica Cerebral

É hora de malhar os neurônios

Nosso cérebro começa a perder as células do sistema nervoso antes mesmo dos 30 anos. Mas pesquisas mostram que é possível retardar esse processo. E o melhor: jogando videogame.

Neurofeedback Globo Reporter

Mistérios do Cérebro

O diagnóstico dos médicos: Leonardo é hiperativo. A mãe rejeitou a idéia de tratá-lo com remédios e apostou na simplicidade de uma técnica de respiração para crianças com hiperatividade. O sono de Leonardo finalmente voltou.

Neuroterapia - tratamento usando games

Neuroterapia: Games auxiliam tratamentos

"Sentia uma falta de capacidade, medo de não executar uma tarefa no prazo. Não sabia lidar com a pressão". Há sete meses foi submetido ao tratamento com Biofeedback. Fã de games de corrida, ele conta que gostou do método. "A animação distrai e você acaba se acalmando. Hoje, tenho um controle melhor e estou mais focado".

Ajuda para crianças na escola

Fique ligado – O que pode atrapalhar na escola

Crianças com problemas na escola? Importante investigar o que pode estar acontecendo. Pode ser TDAH, dislexia, hipermetropia, astigmatismo, entre outros.