ESQUECIMENTO E PROBLEMAS DE MEMÓRIA?

ENTREVISTA COM A PSICOTERAPEUTA CACILDA AMORIM

Esquecimento, memória fraca e distração? Pode ser coisa mais séria.

Esquecimentos e problema de memória fraca| IPDA na Midia - Revista Residenciais

TDA – Déficit de Atenção causa esquecimentos, problemas de memória e distração, afetando adultos e crianças

Revista Residenciais

Esquecimento, problemas de memória, distraçãoO TDAH - Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade já afeta quatro milhões de pessoas no Brasil. Até uma década atrás, um verdadeiro contingente de adolescentes e adultos “aparentemente normais” colecionava uma bagagem de fracassos e outras dificuldades sociais sem nenhuma explicação concreta.

Hoje, com o avanço da medicina, descobriu-se um exército invisível. Cerca de quatro milhões de adultos no Brasil são vítimas do TDAH, mais conhecido como Transtorno do Déficit de Atenção por Hiperatividade. Esse distúrbio, que associa a desatenção e a impulsividade com a hiperatividade, é capaz de afetar a qualidade de vida, trazer problemas de relacionamento na vida pessoal e profissional tanto em adultos quanto em crianças.

Pessoas sem a mínima capacidade para tomar decisões de forma produtiva passavam pela vida sem um diagnóstico específico. Muitas vezes, a dificuldade de concentração, a desorganização nas tarefas cotidianas e a perda de prazos eram atribuídas a quadros de depressão ou ansiedade, quando não puro desinteresse.

Adultos: Esquecimentos e depressão

Já nos adultos, o diagnóstico é mais complicado e o transtorno acaba dando lugar a outros problemas, como depressão, ansiedade, baixa autoestima e desorganização. Os especialistas contam que os adultos não desenvolvem o TDAH, mas sim carregam o distúrbio desde pequenos.

Mais de 50% dos casos em crianças acabam chegando à idade adulta porque não receberam tratamento ainda na infância”, diz a psicóloga Cacilda Amorim. O portador se retrai com facilidade, não consegue manter o foco da atenção, tem dificuldades para lembrar as coisas, além de muitas vezes sofrer com agitação mental.

Tenho um paciente de 26 anos, que desde os 19, já passou por 18 empregos diferentes porque não consegue se firmar em nenhum. Tem um outro que certo dia não estava conseguindo chegar ao meu consultório porque pegou o metrô na direção contrária do que deveria. Quando ele se deu conta do equívoco, desceu e pegou o metrô correto, mas deixou passar a estação em que deveria parar. Então teve que descer novamente e pegar outro metrô”, revela Cacilda Amorim.

No TDAH na fase adulta, na qual é mais comum o uso de medicação, o neurologista frisa que é indispensável que a própria pessoa se dê conta do problema e possa discutir abertamente as dificuldades nas relações afetivas e no trabalho. “É uma forma de evitar a frustração sistemática de quem está à sua volta”, afirma André Palmini. Organizar uma lista de tarefas diariamente e checá-la também é uma boa dica para ajudar a recuperar a concentração.

Fatores Genéticos e Ambientais

Apesar de parecer apenas um distúrbio comportamental, o TDAH é um transtorno relacionado a fatores genéticos, causado por uma disfunção no córtex pré-frontal do cérebro, região próxima à testa. Essa área é responsável pelas ditas “funções executivas”, responsáveis pelo controle da atenção, do planejamento, das tomadas de decisões, da memória, do controle motor e dos impulsos.

"Com a disfunção, essa área funciona menos do que deveria, fazendo com que os sintomas do transtorno apareçam", esclarece Cacilda Amorim, psicóloga e diretora do Instituto Paulista do Déficit de Atenção.

Associado ao fator genético, existe o fator ambiental, que pode acentuar os efeitos da doença. O portador de TDAH nasce vulnerável a desenvolver os sintomas e, de acordo com o ambiente em que cresce e o desenvolvimento de sua vida, pode desencadear a doença. Os fatores externos que contribuem para acelerar o processo são: ambientes desestruturados, falta de limites e regras, multitarefa, sobrecarga de informação e pressões excessivas.

Crianças: Problemas de Aprendizagem

Os sintomas do TDAH se manifestam a partir dos 6 anos e a doença prevalece na idade escolar. Não é à toa, portanto, que o distúrbio já atinge em média 3% a 8% das crianças entre 7 e 12 anos. Na infância, o TDAH pode acarretar problemas de aprendizagem, baixo rendimento escolar, comprometimento das relações sociais, transtorno de conduta, agressividade, distração, impulsividade e falta de concentração.

Geralmente, elas relutam para iniciar tarefas ou exercícios, distraem-se com facilidade, têm seu material escolar desorganizado e tendem a não completar exercícios passados na escola.

Além disso, essas crianças provocam conflitos em casa, pois estão sempre adiando o início de atividades ligadas à escola, deixando-as para a última hora. “Apresentam atividade motora excessiva e comportamentos típicos como ir de um lugar para o outro, pular, subir, correr e gritar”, afirma Hellen Assef, psicóloga e especialista em avaliação neuropsicológica.

Consequência: muitos jovens iniciam sua vida escolar por escolas de boa qualidade. Porém, as múltiplas dificuldades apresenta-das por crianças e adolescentes (envolven-do reprovações, quase-reprovações e problemas sérios de comportamento) fazem com que tenham de sair de suas escolas iniciais (por vontade própria ou constrangimento) e acabam se “encontrando” em escolas de qualidade inferior, que “aceitam” alunos com essas dificuldades.

“Esse movimento espiral para baixo faz com que algumas escolas concentrem uma proporção mais elevada de crianças e adolescentes com THDA, com consequências negativas para o desenvolvimento e inserção social”, comenta André Palmini, neurologista e professor da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Tem Cura?

O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade infelizmente não tem cura, mas é possível amenizar os sintomas com tratamento medicamentoso e terapia. A medicação é estimulante e faz com que o córtex afetado volte a funcionar normalmente, diminuindo os sintomas e oferecendo ao paciente maior poder de concentração. Os medicamentos devem ser acompanhados por uma psicoterapia comportamental, para que o paciente consiga desenvolver os comportamentos necessários para superar as dificuldades.

“A pessoa vai se ajustando à concentração de acordo com os medicamentos e a terapia comportamental-cognitiva vai trabalhar o autocontrole e ajustar o comportamento do paciente. A duração do tratamento varia de acordo com cada caso”, afirma Ellen Assef. Cerca de 85% dos pacientes têm sucesso no tratamento, mas vale lembrar que os sintomas podem voltar futuramente, uma vez que o TDAH não tem cura.

Revistas Residenciais – Outubro/2005

Por Gisele Jaculli

Cacilda Amorim

Cacilda Amorim - Psicoterapeuta e Coach Comportamental

Diretora do IPDA - Instituto Paulista de Déficit de Atenção

CRP 06/61710

Conheça o IPDA - Instituto Paulista de Déficit de Atenção


Referência em TDAH desde 2004

Clinica especializada em TDAH – Déficit de Atenção. Referência em diagnóstico, tratamentos e cursos para portadores, familiares e profissionais. Transtornos isolados ou em comorbidades: Ansiedade, depressão,stress crônico, agressividade e impulsividade. Problemas profissionais, estudo / aprendizagem e relacionamentos.

Agendar Consulta

É POSSÍVEL SUPERAR

Distração, esquecimentos, agitação, desorganização, baixo desempenho…

não precisam ser para sempre. Encontre a ajuda que você necessita.

Marcar ConsultaEnviar Whatsapp

IPDA NA MIDIA

Entrevistas e Reportagens com Cacilda Amorim

TDAH adulto afeta vida profissional

TDA Adulto afeta a vida profissional

Especialistas estimam que a doença, chamada de TDA - Déficit de Atenção, atinja 4% dos adultos. O jornalista Paulo Bastos (nome fictício), 56, sempre se considerou um profissional dinâmico. Acumulava inúmeras tarefas e chegava a trabalhar até 12 horas por dia.

Qualquer um pode ter TDAH

TDAH – Um transtorno para todos

Se você ou seu filho distraem a todo momento, tem dificuldade de organizar o ambiente ao seu redor e os próprios processos de pensamento, além de tendência à agitação física e mental e à impulsividade, fique atento: estas são as características mais conhecidas do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

TDAH no trabalho causa distração e desorganização

Eles não são apenas distraídos ou agitados

Conviver com uma pessoa desorganizada, distraída, falante demais ou muito agitada pode ser difícil e até irritante para alguns. Se você conhece alguma pessoa que preenche essas características, fique atento: ela pode ser portadora de TDAH.

TDAH pode causar esquecimento e problemas de memória

Esquecimento e problemas de memória? Pode ser TDAH

"Doença do Esquecimento", memória fraca e distração pode ser uma coisa mais séria. TDA - Déficit de Atenção é um transtorno que afeta adultos e crianças. Estima-se serem mais de 4 milhões no Brasil.

TDAH prejudica colocar prioridades

TDAH adulto afeta colocar prioridades

O portador de TDAH sofre para filtrar dados que o cérebro recebe. Como consequência, profissionais se confundem ao priorizar tarefas e não atentam a temas importantes. A grande dificuldade do portador de distúrbio do déficit de atenção é separar o joio do trigo das informações que recebe.

Multitarefa é uma ilusão

TDAH – Dá para multi-tarefar?

Multi-Tarefa é uma ilusão que prejudica demais a produtividade. Apesar de especialistas discordarem sobre as reais capacidades do cérebro. Faça este teste e comprove por você mesmo se a multi-tarefa prejudica ou não seus resultados.

TDAH não é apenas problema infantil

TDAH não é apenas problema "infantil"

Apesar do que muita gente pensa, o transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) não é uma doença exclusiva de crianças e adolescentes. Conhecido como uma síndrome que aparece na infância, o TDAH pode acompanhar a pessoa durante a vida adulta.

Seu filho tem TDAH ou é apenas falta de limites

Diagnóstico do TDAH Infantil – Transtorno ou Falta de Limites?

O diagnóstico preciso deve eliminar outras possibilidades e acompanhar a vida em família. Como saber se seu filho tem ou não o problema?

Direitos das pessoas com TDAH

Reprovação de aluno com TDAH é revista

Crianças e jovens com TDAH tem direito a suporte diferenciado na escola.

Uso excessivo de remédios Ritalina para TDAH

Ritalina para TDAH pode causar dependência

Ritalina, remédio "tarja preta" pode "causar dependência física ou psíquica", de acordo com advertência impressa na embalagem do produto. Brasil é o segundo maior consumidor mundial de Ritalina. Como tem aumentado muito a prescrição e consumo, especialistas estão cada vez mais preocupados.

Como facilmente treinar o cérebro

É simples treinar seu cérebro

Há múltiplas maneiras de treinar o cérebro. Ginástica Cerebral estimula neuroplasticidade, com efeitos muito positivos sobre transtornos de atenção. Sudoku é uma das opções, simples, divertida e barata.

Debate Ritalina e Educação no Brasil

TDAH, Ritalina e Educação no Brasil

Ritalina: será TDAH - Déficit de Atenção ou a escola que é pouco atrativa e ultrapassada? Epidemia de crianças que não conseguem prestar atenção ou necessidade de rever a educação?

TDAH na escola Como professor pode ajudar

Déficit de Atenção TDAH – Não é bicho de sete cabeças

Conheça alguns sinais do TDAH - Déficit de Atenção / Hiperatividade e saiba como proceder sem deixar que ele atrapalhe o desenvolvimento da turma. Agitação durante a aula, falta de atenção, problemas com o colega, desorganização com o material escolar, tarefas inacabadas.

Criança que não presta atenção nas aulas

Seu filho não presta atenção nas aulas?

Crianças com TDAH necessitam suporte e acompanhamento para aprender bem. Essencial o interesse no desenvolvimento da criança e manter boa comunicação com a escola.

Ansiedade no século XXI

Ansiedade – O Mal do Século 21

O corpo e a mente funcionam como um computador. A ansiedade intensa prejudica o foco, pois direciona a atenção para as preocupações e tudo aquilo que sinaliza risco ou perigo iminente.

Gameterapia para o cérebro

Gameterapia – Tratamentos inovadores para o cérebro

Cada vez mais especialistas oferecem tratamentos com programas que lembram videogames e levam ao domínio de funções fisiológicas, com potencial para tratar os mais diversos problemas de saúde física e mental.

Ginástica Cerebral

É hora de malhar os neurônios

Nosso cérebro começa a perder as células do sistema nervoso antes mesmo dos 30 anos. Mas pesquisas mostram que é possível retardar esse processo. E o melhor: jogando videogame.

Neurofeedback Globo Reporter

Mistérios do Cérebro

O diagnóstico dos médicos: Leonardo é hiperativo. A mãe rejeitou a idéia de tratá-lo com remédios e apostou na simplicidade de uma técnica de respiração para crianças com hiperatividade. O sono de Leonardo finalmente voltou.

Neuroterapia - tratamento usando games

Neuroterapia: Games auxiliam tratamentos

"Sentia uma falta de capacidade, medo de não executar uma tarefa no prazo. Não sabia lidar com a pressão". Há sete meses foi submetido ao tratamento com Biofeedback. Fã de games de corrida, ele conta que gostou do método. "A animação distrai e você acaba se acalmando. Hoje, tenho um controle melhor e estou mais focado".

Ajuda para crianças na escola

Fique ligado – O que pode atrapalhar na escola

Crianças com problemas na escola? Importante investigar o que pode estar acontecendo. Pode ser TDAH, dislexia, hipermetropia, astigmatismo, entre outros.