Instituto Paulista de
Déficit de Atenção

Entrevista com a Psicoterapeuta Cacilda Amorim - Revista Vida Simples


Para alguns praticantes, significa fazer as pazes com os números. Para outros, diversão. Mas o bom mesmo é "treinar a atenção em tempos de videoclipe", como conta Edson Pfutzenreuter, professor do Senac. Embora a origem do jogo tenha um pé na Suíça e outro nos Estados Unidos, foi batizado e cresceu no Japão.

Sudoku quer dizer "número único", o que faz sentido, já que o jogador preenche as casas vazios dos quadrados menores (3x3) com números de 1 a 9, sem repeti-los nas linhas verticais e horizontais.

"O jogo treina habilidades como a velocidade no processamento de informações, o raciocínio numérico e lógico, a memória e a concentração", diz Cacilda Amorim, Psicoterapia e diretora do Instituto Paulista de Déficit de Atenção.


Há quem não passe um dia sem "sudokar", verbo novo no dicionário dos aficionados. Ivone Glaessel, de 80 anos, é uma delas. Fã de palavras cruzadas, descobriu o sudoku há um ano e se apaixonou. Mas qual a graça disso? O prazer pelo exercício mental. Conforme os êxitos avançam, a sensação de conquista aumenta e o desafio não deixa o jogador descansar antes do fim. E então, vai sudokar hoje?

Revista Vida Simples - Dezembro / 2007



Seguir

Compartilhar