Instituto Paulista de
Déficit de Atenção

Meu filho começaou com problemas desde a 1a série, quando cheguei no IPDA ele já estava na 2a. Ele se mexia muito e corria sem parar, não prestava atenção nas coisas... não obedecia ninguém, brincava o tempo todo na sala de aula, entregava as provas em branco, não trazia os recados, parecia indisciplinado... Era muito esquecido, não lembrava nem se tinha ido para a escola... O diagnóstico foi um alívio, era um problema que tinha solução, não era eu (mãe). Ler mais...


Neste tempo em que fiz meu tratamento pude identificar minha maior dificuldade: fazer, realizar - a dificuldade de colocar em prática ações, chegar aos meus objetivos sem desistir no meio do caminho, em troca de algo mais atraente, vantajoso, estimulante e recompensador. Este problema tem relação direta com o motivo que me levou ao consultório: a necessidade de orientação quanto minha vida profissional, pois ainda não obtive êxito em realizar uma atividade profissional em que conseguisse conciliar talento, realização pessoal e fazer meu sustento. Ler mais...


Após saber que era DDA há uns anos atrás, esse passou a ser o motivo único de minhas frustrações. Claro que sabia que muita coisa era recorrente de questões minhas não resolvidas, mas para mim tudo acontecia unicamente pelo déficit de atenção. Por conta dele eu tinha dificuldade no trabalho e problemas de relacionamentos com amigos, parentes e nas ligações românticas. Ler mais...


Depois de um ano de terapia, eu aprendi muito sobre quem eu sou. Hoje, com 27 anos, eu sei que o que passei até o início desses 27 eu não vou conseguir mudar, e que a partir desse ponto eu (Eu posso e devo escolher). Eu escolho o que quero para mim. Ler mais...


Quando vim para o IPDA tinha vários problemas com distração, ansiedade, dúvidas profissionais. Pensei que fosse TDAH, mas não era. Depois que fiz a avaliação, vi que uma parte eram características minhas, outras eram causadas pela depressão. Ler mais...


Era como se eu fosse um emaranhado de novelos, mas cheio de nós. Sentia angústia, tristeza constante e passividade. Porém, tudo ao mesmo tempo, também sentia alguns impulsos de motivação, tentativas de superação, sem saber direito qual o alvo a ser atingido e como, consequência: frustação e mais angústia, auto-crítica extrema, insegurança, medo, impaciência. Em resumo, uma bomba prestes a explodir. Ler mais...


Vivia procurando tratamento para meu filho, ele foi diagnosticado TDAH no meu estado Piauí. Então fui procurar alguma resposta na internet para o problema dele, Aderson Lucas, que estava com 7 anos. Não fazia as tarefas, não se concentrava ou focava a atenção vivia como se estivesse no mundo da lua. Já eram muitas terapias sem grandes resultados. Ler mais...


Eu sempre tive medo de descobrir alguma coisa do tipo - um problema com o cérebro. E quando é isso mesmo, vem um choque. Eu sou professor, como poderia ter algo ainda mais no meu cérebro, uma parte tão importante de mim? E daí acabei entendendo que este negócio não é exatamente você. Ler mais...


Tudo começa quando você tem seu diagnóstico e a doutora te diz o que precisa fazer para melhorar. E foi o que eu descobri, o nome - não é um bicho . desconhecido de sete-cabeças, pelo menos tem um nome. E o que me resta a fazer. Agora é comigo. Duas coisas, muita diferença. Ler mais...


Fui procurar ajuda na terapia porque tinha problemas com dar continuidade com as atividades planejadas, autocrítica, insegurança, dficuldade em dizer não e frustrar o outro, ser objetiva e ser organizada. E isto é o que eu aprendi. Ler mais...


Meu filho está realmente mais confiante, mais seguro, mais feliz e mais independente. Na parte de organização pessoal ainda precisa melhorar, mas ele vai conseguindo no dia a dia.A evolução é bem visível. Ler mais...


Sequência de depoimentos da mãe de P.B.K, de 6 anos de idade, durante o tratamento com Neurofeedback. "Tudo funcionou bem! Só temos a agradecer ao IPDA..."


Esta é mais uma coisa que precisa ser constantemente trabalhada não só para que eu passe a ter mais confiança em mim, mas também para evitar frustrações, para que eu possa ser mais feliz com menos cobrança. Por tudo isto o dia-a-dia está mais fácil! Ler mais...


Na feira de ciências da escola ele teve vergonha de fazer a apresentação, mas no final as pessoas comentaram: olha aquele menino, como fala e explica bem, apresenta para todo mundo!Eu e o pai achamos que ele mudou muito, para MELHOR! Ler mais...


Minha filha sempre teve muita dificuldade com ouvir um não, automaticamente reagia de forma agressiva. Também sempre foi muito impulsiva e teimosa, com muita intensidade emocional, desde bebê. Sempre quis tudo muito rápido, não sabia esperar nem alguns minutos... tudo tinha de ser para ontem. E a mudança veio somente aos poucos. Ler mais...


Olá Dra. Cacilda Amorim, primeiramente quero agradecer o carinho e atenção. Com o curso Encontre seu Foco - TDAH adulto pude entender melhor do assunto e através desse estudo pude compreender melhor meus sentimentos, estou conseguindo organizar melhor meus pensamentos, comecei a enxergar como eu me auto-sabotava, culpava o mundo e acabava ficando ansioso e impulsivo em certas situações... Vou continuar me esforçando, com ajuda profissional fica mais fácil avançar e continuar a caminhada. Abraçao carinhoso. Jorge T.W., 42 anos, empresário, Santa Maria - RS. Mais depoimentos do curso Encontre seu Foco - TDAH Adulto



Seguir

Compartilhar



Distração, esquecimentos, agitação, desorganização, baixo desempenho... não precisam ser para sempre.

É possível superar. Há muitas maneiras de melhorar sua qualidade de vida. Encontre a ajuda que você necessita.